Especialistas da U-M disponíveis para discutir o vírus Zika

janeiro 22, 2016
Contact: umichnews@umich.edu

ESPECIALISTAS

O Centros de Controle e Prevenção de Doenças (em inglês: Centers for Disease Control and Prevention – CDC), nos Estados Unidos, emitiu um comunicado de viagens para mulheres grávidas, pedindo para que elas evitem viajar para países que atualmente estão com altas taxas de infecção do vírus Zika. A Organização Mundial de Saúde (OMS), em comunicado emitido nesta segunda-feira, 25 de janeiro, o vírus zika vai se espalhar por todo o continente americano. Segundo a organização, Canadá e Chile são as únicas duas exceções. De maio até agora, 21 países do continente haviam registrado ocorrências do vírus.

A Universidade de Michigan tem especialistas que podem discutir o vírus.

Mark Wilson, professor de epidemiologia da Escola de Saúde Pública, é ecologista e epidemiologista, com interesses de pesquisa em doenças infecciosas, incluindo a análise da dinâmica de transmissão e os riscos sociais e ambientais. Os estudos dele têm abordado várias doenças causadas por artrópodes, incluindo a doença de Lyme, a malária, a leishmaniose e a dengue. Ele pode discutir a transmissão da doença, padrões globais e a relação com a atividade humana.

“Um desafio que enfrentamos com o vírus transmitido por mosquitos, como o zika, é que, apesar de todos as pessoas, que não foram expostas anteriormente, sejam suscetíveis, nem todas as novas infecções produzem sintomas. Assim, pessoas que estão infectadas, ainda assintomáticas, podem viajar para áreas onde os vetores (mosquitos de espécies do Aedes) estão presentes e, sem saber, introduzir o Zika para a população local,” ele disse. “Os locais onde esses mosquitos são abundantes, os surtos podem ocorrer rapidamente caso a transmissão se intensifique. Nos anteciparmos de onde e quando o Zika pode aparecer, bem como melhorar a vigilância e a resposta rápida, aumenta a necessidade de infraestrutura da saúde pública e da capacidade nesse cenário.”

Contato: wilsonmlumich.edu de 734-936-0152,


Dr. Marjorie Treadwell, diretora do Centro de Diagnóstico Fetal da U-M, é especialista em medicina fetal e materna que pode falar sobre o vírus zika, particularmente as preocupações para mulheres grávidas.

“Embora o vírus Zika raramente cause doença significativa em adultos, os efeitos podem ser graves e irreversíveis para o feto de uma mulher grávida que está infectada,” ela disse. “Infelizmente, ainda há muitas incógnitas, muitas perguntas. Ainda não sabemos se as mulheres são mais propensas a serem infectadas só porque estão grávidas. Neste momento, não há nenhum tratamento disponível e as recomendações focam na prevenção.”

“É importante salientar que a única maneira que uma pessoa pode ser infectada por este vírus é através de uma picada de mosquito. As mulheres grávidas que não viajaram ou viajarem para países onde o vírus Zika foi relatado, não estão em risco.”

Contate Beata Mostafavi, 734-764-2220, bmostafaumich.edu
Leia seu blog no endereço:
http://uofmhealthblogs.org/general/what-is-the-zika-virus/26906/


Dr. Arnold Monto e professor de Epidemiologia, e perito – internacionalmente conhecido – que pode discutir transmissão, prevenção, mitigação e resposta social para surtos e planejamento de pandemia. Isso inclui os modos de transmissão.

“Esta é uma situação incomum, porque é um vírus que causa uma doença leve em outros grupos da população, mas se ele infecta uma mulher grávida durante a gestação, pode causar grandes danos para o feto. É um grande desafio porque o vírus é aparentemente generalizado.”
Contato: asmontoumich.edu 734-764-5453,


Emily Toth Martin, professora assistente de Epidemiologia da Escola de Saúde Pública, é epidemiologista de doenças infecciosas, com foco na epidemiologia de vírus e o uso de vacinas e terapias para prevenir e tratar infecções. Sua pesquisa inclui a otimização do uso de diagnósticos para doenças virais.

“É importante lembrar que o vírus Zika é transmitido por mosquitos, não pelo contato com uma pessoa infectada,” ela disse. “Até agora, não parece termos qualquer transmissão nos Estados Unidos.

Contato: etmartinumich.edu de 734-647-4723