Quem está matando os macacos bugios na Nicarágua?

fevereiro 25, 2016
Contact: umichnews@umich.edu

Uma fêmea envolvido bugio em Tabasco, no México. Crédito da imagem: Milagros GonzalezUma fêmea envolvido bugio em Tabasco, no México. Crédito da imagem: Milagros GonzalezANN ARBOR – Dois cientistas da Universidade de Michigan lideram uma força tarefa para explicar as recentes mortes de pelo menos 75 macacos bugios que vivem nas florestas tropicais no sudoeste da Nicarágua.

Liliana Cortés-Ortiz e Kimberly Williams-Guillén estão montando uma equipe multi-institucional de especialistas para testar vários cenários que podem explicar essas mortes, que acontecem depois de outros casos de mortalidade de macaco da mesma espécie no Equador e no Panamá.

“É realmente muito incomum ver esta quantidade de macacos doentes e de mortes de uma só vez”, disse o ecologista Williams-Guillén, professor visitante da Escola de Recursos Naturais e Meio Ambiente da U-M, que estuda os macacos selvagens na Nicarágua desde 1999.

Williams-Guillén é também diretor de ciência da conservação de Paso Pacífico, uma organização ambiental sem fins lucrativos que trabalha em florestas do Pacífico da Nicarágua. Ele disse que seu grupo confirmou pelo menos 75 mortes relatadas por proprietários de terras na Nicarágua e guardas florestais, 70 deles desde meados de janeiro.

Williams-Guillén planeja voltar para a Nicarágua em poucos dias para investigar as mortes de macacos de perto e para procurar outras bugios doentes ou mortos recentemente.

Nesta fase inicial, os pesquisadores têm quatro hipóteses principais das causas de morte que gostariam de investigar. Eles querem saber se as mortes foram causadas por: 1) seca ou algum outro estresse ambiental, resultando em falta de alimentos ou água; 2) intoxicação por ingestão de plantas que contêm altos níveis de compostos tóxicos; 3) pesticidas ou alguma outra forma de contaminação do meio ambiente; ou 4) um agente patogénico, tal como um vírus transmitido por mosquitos, como a febre amarela ou Zika.

“Não sabemos por que isso está acontecendo, e precisamos descobrir”, disse Cortés-Ortiz, professora associada de pesquisa no Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva da U-M, que estuda a evolução dos primatas. “Então, essa equipe de especialistas que estamos montando vão testar todos os cenários possíveis nos três países onde foram relatadas mortes dos bugios.”

Cortés-Ortiz estudou macacos bugios no México, Panamá e Peru. Ela é a coordenadora regional do Grupo Especialista em Primatas da Mesoamérica, que faz parte da União Internacional para a Conservação da Natureza.

“É fundamental conduzirmos análises e testes adequados para identificarmos a causa da morte destes macacos bugios e para entendermos se as mortes nos países diferentes estão relacionados”, disse ela. “Ao mesmo tempo, precisamos evitar especulações infundadas e esperar até que tenhamos informações sólidas.”

Exames de alguns dos macacos mortos feitos pela equipe de Paso Pacífico mostraram uma desidratação leve e também que os animais estavam com o estômago cheio. E esse resultado contraria a hipótese de falta de comida ou água como a principal causa de morte, disse Williams-Guillén.

Os investigadores esperam recolher amostras de tecido dos macacos mortos e testar a presença de vários agentes patogénicos, incluindo o vírus da febre amarela e Zika, que são relacionados. Esses testes serão realizados em uma das instituições parceiras, e não na Universidade de Michigan.
Enquanto os macacos bugios são conhecidos por serem altamente suscetíveis ao vírus da febre amarela, a doença não foi relatada na Nicarágua por muitos anos. E ao mesmo tempo em que a Nicarágua informou recentemente mais de duas dezenas de casos humanos de Zika, não se sabe se o vírus Zika adoece macacos, disse Williams-Guillén.

“Nós não temos absolutamente nenhuma evidência de que essas mortes dos macacos bugios estão relacionadas ao vírus Zika”, disse ela. “Mesmo assim, é legítimo mencionar Zika, neste contexto, porque é uma doença infecciosa emergente que foi recentemente detectada no mesmo país onde estamos encontrando esses primatas mortos.”

Os pesquisadores da U-M irão colaborar com pesquisadores de várias universidades norte e latino-americanas que vão analisar as amostras de sangue e tecidos. Mas antes que isso possa ser feito, vários obstáculos regulatórios devem ser apurados e autorizações concedidas.

Os bugios na Nicarágua, Panamá e Equador não estão ameaçados ou em perigo de extinção. Mas recentemente, a União Internacional para a Conservação da Natureza os classificou como espécie “quase ameaçada”, em grande parte devido à perda e fragmentação do habitat, de acordo com Cortés-Ortiz.

A alta mortalidade de macacos bugios pode resultar em extinções de populações locais, que teriam impacto nas florestas tropicais secas onde os primatas vivem, disse Cortés-Ortiz. Os bugios são comedores de frutas e eliminam sementes de plantas quando defecam, ajudando a manter a saúde da floresta.

Liliana Cortés-Ortiz