Ansiedade e depressão atingiram níveis recordes entre estudantes universitários no semestre de outono

fevereiro 25, 2021
Contact: Fernanda Pires fpires@umich.edu

A depressed college student. Image credit: iStock

No último outono, estudantes universitários relataram níveis mais altos de depressão e ansiedade do que qualquer outro semestre anterior, de acordo com o Estudo “Mentes Saudáveis” ​​da Universidade de Michigan, uma pesquisa anual baseada na web, que analisa a saúde mental e a utilização de serviços entre estudantes de graduação e pós-graduação.

Entre os entrevistados, 47% tiveram triagem positiva para sintomas clinicamente significativos de depressão e/ou ansiedade—um número 44% maior do que no ano passado e o maior desde o início da pesquisa em 2007. O estudo incluiu dados de 32.754 alunos de 36 faculdades e universidades dos Estados Unidos (taxa de resposta de 14%).

“Não estamos necessariamente atribuindo isso a um aumento dramático no outono de 2020, mas na verdade vemos isso como parte de uma tendência geral de aumento nas taxas de depressão, ansiedade e outros resultados de saúde mental e preocupações que estudantes universitários estão nos relatando durante os últimos cinco anos, e talvez até nos últimos 10 anos,” disse Justin Heinze, um dos principais investigadores do relatório.

Heinze, professor assistente de comportamento em saúde e educação em saúde, disse que uma maioria substancial dos alunos indicou que sua saúde mental afetou negativamente seu desempenho acadêmico, com 83% relatando, pelo menos, um dia de prejuízo escolar devido à saúde mental nas últimas quatro semanas.

“Notavelmente, 28% dos alunos indicam o maior número de dias de deficiência: mais de seis nas últimas quatro semanas, contra 22% no semestre da primavera de 2020”, disse Heinze.

Outras descobertas importantes incluíram:

  • 66% dos alunos indicaram que se sentem isolados dos outros, às vezes ou com frequência (um fator de risco importante para a saúde mental)
  • Entre os alunos com um rastreio positivo para depressão ou ansiedade, apenas 40% receberam qualquer aconselhamento/terapia de saúde mental no ano anterior

O estudo “Healthy Minds” começou em 2007 para estudar como investir de forma mais eficaz na saúde mental e no bem-estar de estudantes universitários. O estudo coleta dados descritivos em nível de população para entender a prevalência de desafios de saúde mental nos campi—como depressão, ansiedade e transtornos alimentares—e usa esses dados para ajudar a projetar e avaliar programas e intervenções.

O programa então avalia essas intervenções para que as universidades e faculdades possam direcionar seus recursos de forma mais eficaz para melhorar a saúde de seus alunos, disse Heinze.

“É realmente uma parceria entre profissionais, administradores, formuladores de políticas e estudantes, todos tendo uma voz sobre como podemos usar esses dados e traduzi-los em intervenções que podem ajudar os alunos que estão lutando”, disse Heinze.

Healthy Minds
Justin Heinze