Como fazer a coisa certa no local de trabalho: pare de pensar que é difícil

junho 6, 2019
Contact: Fernanda Pires fpires@umich.edu

Illustration of two employees talking.ANN ARBOR – Quando se trata de honestidade no trabalho, parece que algumas pessoas escolhem o caminho de menor resistência.

O tanto de esforço que um funcionário acredita ser necessário para se comportar honestamente no local de trabalho pode ter um grande impacto na decisão de agir, ou não, com honestidade, de acordo com uma pesquisa publicada no Journal of Applied Psychology.

A principal autora, Julia Lee, da Universidade de Michigan, disse que a pesquisa foi inspirada pela prevalência e alto custo diretamente ligado a fraudes de funcionários. A estimativa é de que uma média de US $ 3,7 trilhões são usados em todo o mundo devido à comportamento desonesto por parte dos funcionários.

“Há muita pesquisa sobre se a moralidade ou a coisa certa é movida por deliberação ou intuição moral,” disse Lee, professora assistente de administração e organizações da Escola de Negócios Ross da U-M.

“O elo com o que pessoas pensam sobre isso estava faltando na pesquisa. Quando você vê uma criança se afogando, a maioria das pessoas entra sem pensar. Para outros, pode ser necessário muito cálculo mental para fazer a coisa certa.”

Lee disse que descobriu que pesquisas anteriores sobre o tema da honestidade e do esforço não investigavam as teorias que os indivíduos mantinham sobre o assunto, e isso parecia ser uma parte crucial do entendimento das razões pelas quais as pessoas se comportam desonestamente.

“No mundo de hoje, a verdade realmente importa,” disse ela. “Sua crença implícita sobre se a honestidade exige esforço—ou não—pode construir a maneira como você pensa sobre a realidade.”

Lee e suas co-autoras conduziram três estudos para medir se pensar em honestidade exige esforço e ajuda a prever comportamento desonesto subsequente, considerando que faz com que as pessoas justifiquem seus comportamentos.

No primeiro estudo, eles descobriram que quanto mais um indivíduo associa a honestidade ao esforço, maior a probabilidade de serem desonestos. No segundo, os pesquisadores demonstraram que acreditar na honestidade é um esforço crescente de desonestidade, em comparação com acreditar que a honestidade é fácil. E o terceiro estudo explorou como as teorias interagiram baseadas na força das situações em questão.

Os resultados mostraram que a teoria de que ser honesto requer esforço aumentou a desonestidade apenas quando a situação não apresentou uma forte tentação de trapacear. Mas quando a tentação de ser desonesta era forte, a teoria fornecia justificativa para trapacear.

Lee disse que a pesquisa também nos faz refletir sobre como a ética é ensinada na escola de administração. Alguns dos exercícios dão aos alunos uma escolha impossível, como “salve seu cônjuge ou mate a empresa.”

“Você dá aos estudantes uma desculpa,” disse ela. “Quando você acha que uma decisão é trabalhosa e, portanto, acaba custando caro, você pode usar isso como uma justificativa para fazer a coisa errada.”

Julia Lee