Estudo: partos na água são tão seguros quanto os na terra para mãe e bebê

dezembro 12, 2019
Contact: Fernanda Pires fpires@umich.edu

Mother holding newborn baby and holding its hand. Image credit: iStock

ANN ARBOR—Os partos na água não são mais arriscados do que os em terra firme, afirma um novo estudo. Outra descoberta: as mulheres do grupo da água sofrem menos lesões de primeiro e segundo grau.

Pesquisadores da Universidade de Michigan analisaram 397 nascimentos aquáticos e 2025 nascimentos terrestres de duas práticas de obstetrícia. Não houve diferenças nos resultados entre o parto na água e o terrestre para internações em terapia intensiva neonatal, e as taxas de hemorragia pós-parto foram semelhantes nos dois grupos.

“O importante é que se você usar técnicas adequadas… os resultados são muito bons,” disse Lisa Kane Low, professora de enfermagem e autora sênior do artigo. “Os resultados refletem o que vemos em estudos internacionais sobre partos na água.”

Ruth Zielinski, professora clínica associada de enfermagem e coautora do estudo, disse que mais instalações devem oferecer parto na água e ter diretrizes para implementá-lo.

No parto na água, a mulher dá à luz em uma banheira cheia de água, em vez de em uma cama. Poucos hospitais ou centros de parto nos EUA oferecem partos por causa do risco percebido para o recém-nascido, sugerido principalmente por estudos de caso de infecções neonatais ou rompimento do cordão umbilical.

As organizações profissionais tendem a concordar que as mulheres em trabalho de parto devem ter acesso à água para conforto, mas nem todas apóiam o parto na água. Isso significa que os hospitais devem obrigar as mulheres a deixar a banheira antes do nascimento.

Durante um parto na água, os bebês respiram pela primeira vez quando removidos da banheira. Até então, seus pulmões estão cheios de água, que é deslocada quando atingem o ar e respiram. O cordão umbilical conectado fornece oxigênio.

É importante não submergir bebês novamente. Na U-M, eles nascem na água, são retirados quase que imediatamente, e tomamos o cuidado de não os submergir, disse Zielinski. A mãe e o bebê saem da banheira com ajuda e cobertores quentes, normalmente antes da retirada da placenta, para que a perda de sangue possa ser calculada com mais precisão.

Zielinski disse que são necessários mais estudos para entender o nível de satisfação das mulheres que têm partos na água.

O estudo, “Uma comparação retrospectiva dos resultados do parto aquático em dois hospitais dos Estados Unidos,” (em inglês: “A retrospective comparison of waterbirth outcomes in two United States hospital settings”) foi publicado online na revista Birth, em 10 de dezembro. Os co-autores incluem: Joanne Bailey, Cathy Emeis e Lisa Kane Low.

Mais informações sobre partos na água.

Estudo