Furacão Katrina: Especialistas da U-M disponíveis para discutir o aniversário de 10 anos

agosto 25, 2015
Contact: umichnews@umich.edu

No dia 29 de agosto de 2005, o Furacão Katrina provocou um dos maiores desastres naturais da história dos EUA, resultando em mais de 1.800 mortes e causando dados em torno de 108 bilhões de dólares.

Especialistas da Universidade de Michigan estão disponíveis para discutir aspectos do Katrina, 10 anos depois.

Wally HoppWally Hopp é professor de Tecnologia e Operações e reitor da Escola de Negócios Ross. Sua pesquisa se concentra na concepção, controle e gestão de sistemas de operações, com ênfase em manufatura e sistemas de suprimentos, processos de inovação e sistemas de saúde.

Hopp disse que furacão Katrina levou as empresas a colocarem investimentos para tornarem suas cadeias de suprimentos mais fortes.

“Há dez anos, quando o furacão atingiu Nova Orleans, muitas empresas foram pegas de surpresa ao descobrirem que tinham fornecedores (muitas vezes de segunda e terceira camada) na região do Golfo. Eles não estavam preparados para as interrupções ocorridas,” Hopp disse. “Hoje, as melhores empresas mapearam suas cadeias de suprimentos, analisaram sua vulnerabilidade às interrupções e tem agora múltiplas fontes para seus suprimentos ou até criaram planos de contingência para lidar com interrupções.”

Contato: 734-763-6027, whoppumich.edu


Dr. Eden WellsDr. Eden Wells, professora clínica de Epidemiologia e Diretora da Residência de Medicina Preventiva na Escola de Saúde Pública. Tem interesses de pesquisa em ameaças de doenças infecciosas, epidemiologia aplicada e prática de saúde pública, incluindo preparação, planejamento de eventos de emergência de saúde pública.

“O impacto do Katrina sobre as comunidades da Costa do Golfo continua a ecoar ao longo da última década,” ela disse. “A saúde pública e os gestores de emergência em todo o país aprenderam as lições com este evento e agora trabalham juntos no sentido de fortalecer e preparar as comunidades. Emergências de saúde pública como o Katrina mostram que há uma necessidade contínua para planejar, preparar e melhorar planos de ação.”

Contato: 734-647-5306, ewellsumich.edu


JoLynn MontgomeryJoLynn Montgomery, pesquisadora assistente em Epidemiologia na Escola de Saúde Pública. Fundou uma equipe apoio de ação de saúde pública (PHAST) em 2005 para oferecer aos estudantes de saúde pública uma formação formal de campo para responder às catástrofes de saúde pública.

Um ano depois, ela acompanhou um grupo de 40 estudantes do PHAST para ajudar com os esforços de alívio do Furacão Katrina. Grupos PHAST voltaram para a área do Katrina em 2007 e 2011.

“É fundamental lembrarmos as lições de saúde pública do furacão Katrina para minimizar o impacto de futuras catástrofes, sejam elas grandes ou pequenas,” ela disse. “Na última década, por exemplo, fizemos grandes melhorias nos sistemas de vigilância de doenças para controlar surtos, nos sistemas de informação de imunização (para fornecimento de cobertura e vacinas de imunização) e nos registros eletrônicos médicos e farmacêuticos que permitem o acesso remoto para continuidade de cuidados. Temos de continuar a apoiar estes sistemas e financiar a infraestrutura de saúde pública para garantir uma melhor e mais rápida resposta melhor para qualquer emergência de saúde pública.

Contato: jpmontumich.edu


Chris RufChris Ruf, professor de Ciência Atmosférica e Engenharia Elétrica. É o principal pesquisador da NASA, na Missão Sistema Global de navegação por Satélite (CYGNSS – sigla em inglês).

“A constelação de satélites CYGNSS, com lançamento previsto para o próximo ano, vai melhorar significativamente a nossa capacidade de rastrear e monitorar furacões antes deles atingirem a terra”, disse ele. “Isso também deve melhorar a nossa capacidade de prever a hora e o local que será atingido, como também a intensidade e força das tempestades. Nossa esperança é que isso vai nos deixar mais bem preparados para os próximos ‘Katrinas’.”

Contato: 734-764-6561, cruf@umich.edu


Sandra Graham-BermannSandra Graham-Bermann, professora de Psicologia na Faculdade de Literatura, Ciência e Artes, conduziu pesquisa com crianças e mães que sofreram trauma.

“Não importa que o furacão Katrina tenha passado há uma década. As crianças e adolescentes que viveram essa experiência ainda estão tentando superar o trauma. Em alguns casos, é necessário aconselhamento profissional. Em outros casos, talvez somente os pais possam ajudá-los a superar e acabar com a dor.”

Contato: 734-763-3159, sandragbumich.edu


Laura LeinLaura Lein, professora e reitora da Escola de Serviço Social. Conduziu pesquisas com as famílias que vivem de pobreza e com problemas de saúde.

“As experiências dos desabrigados do Katrina destacam as dificuldades enfrentadas por aqueles que enfrentam a pobreza, incluindo os serviços fragmentados disponíveis para eles, as dificuldades no exercício dos direitos civis e as dificuldades particulares que surgem quando comunidades inteiras enfrentam a pobreza,” ela disse. “A pesquisa com desabrigados do Katrina indica que muitos deles permaneceram por anos perto de miséria após da evacuação.”

Contato: 734-764-5347, leinlumich.edu