O dispositivo linguístico que cria ressonância entre pessoas e ideias

janeiro 7, 2021
Contact: Fernanda Pires fpires@umich.edu

Na literatura, os escritores costumam usar a palavra “você” genericamente para fazer uma ideia parecer mais universal, embora possa não ser.

Agora, em um artigo publicado recentemente no Proceedings of the National Academy of Sciences, pesquisadores da Universidade de Michigan mostram que esse recurso linguístico—o uso do você genérico—contribui para fazer as ideias ressoarem.

Anteriormente, os pesquisadores descobriram que a ressonância pode ser aumentada alterando o conteúdo de uma mensagem, seja para evocar emoção, destacar sua aplicabilidade à vida de uma pessoa ou apelar para as crenças de uma pessoa. Ao ler um romance em seu Kindle, a professora de psicologia e linguística da U-M Susan Gelman começou a notar muitas das passagens que outros leitores destacaram espontaneamente, usavam você genérico, e se perguntou se isso era coincidência ou representava um padrão sistemático.

“Isso foi tão empolgante para nós porque, há muito tempo, tínhamos a intuição de que o genérico “você” pode ter efeitos interpessoais. Pode atrair o ouvinte ou destinatário a uma ideia e talvez aumentar a empatia ou até a extensão que uma pessoa pode se relacionar com uma ideia que outra pessoa estava expressando,” disse Ariana Orvell, principal autora do artigo. “Encontrar essas passagens em livros foi uma maneira perfeita no mundo real de obter alguns insights sobre esse efeito.”

Gelman e seus co-autores Ariana Orvell, do Bryn Mawr College, e Ethan Kross, professor de psicologia da U-M, examinaram a frequência com que “você” apareceu em passagens destacadas retiradas de 56 seleções do Clube do Livro de Oprah. Eles descobriram que passagens destacadas tinham 8,5 vezes mais probabilidade de conter “você” genérico do que passagens que não foram destacadas, levando-os a identificar você-genérico como um dispositivo linguístico que aumenta a ressonância.

“Este estudo é um exemplo muito bom de como as pessoas são sensíveis até mesmo a uma variação sutil de perspectiva e linguagem,” disse Gelman. “Tenho certeza de que as pessoas que estão lendo esses romances não estavam pensando sobre o dispositivo linguístico que os autores estavam usando, e os próprios autores podem não estar cientes, mas este estudo mostra que esse dispositivo linguístico tem um efeito mensurável e que faz parte do tecido da linguagem e do pensamento ao qual as pessoas são sensíveis.”

Em quatro experimentos de acompanhamento relatados no mesmo artigo, os pesquisadores então submeteram essas descobertas a mais quatro testes para confirmar que a presença do genérico-você no texto tem um efeito causal em aumentar o quanto as ideias ressoam.

Para examinar a frequência com que os leitores destacavam as passagens “você”, os pesquisadores analisaram 1.120 passagens de 56 livros de ficção originalmente escritos em inglês e publicados depois de 1900. Coletivamente, as passagens foram destacadas mais de 250.000 vezes. Os pesquisadores descobriram que aquelas que incluíam o genérico-você foram destacadas com muito mais frequência do que passagens de controle não destacadas.

Especificamente, os pesquisadores descobriram que o genérico-você apareceu em 26% das passagens destacadas em comparação com apenas 3% das passagens de controle não destacadas. Quarenta por cento das passagens destacadas continham pelo menos um indicador de “pessoas genéricas”, isto é, o uso genérico de “pessoas”—em comparação com apenas 6% das passagens de controle não destacadas.

“Acho notável que essa pequena mudança linguística influencie o quanto as ideias ressoam,” disse Kross. “Essas descobertas mostram como as mudanças sutis na linguagem podem ser poderosas para influenciar a maneira como as pessoas entendem o mundo.”

Gelman diz que os próximos passos para o grupo incluem estudar como “você” é usado em outras línguas, bem como estudar seus efeitos em crianças e em outros usos, como postagens em mídias sociais.

 

Mais Informações: