Pais deprimidos pela pandemia tiveram impacto negativo na educação e bem-estar dos filhos

março 2, 2021
Contact: Fernanda Pires fpires@umich.edu

A depressão e o estresse dos pais no início da pandemia contribuíram negativamente para a educação e ansiedade de crianças mais novas, sugere um estudo da Universidade de Michigan.

O estresse ainda pode estar presente hoje para alguns pais enquanto seus filhos fazem a transição de volta para a escola, e o COVID-19 continua sendo um perigo. Apoio contínuo para as crianças e pais será necessário, disseram os pesquisadores.

As descobertas, publicadas na edição de março da Children and Youth Services Review, relatam a dinâmica pais-filhos durante o fechamento inicial de escolas relacionadas ao COVID-19, com base em dados coletados em abril do ano passado.

Os 405 participantes recrutados para o estudo viviam nos Estados Unidos e tinham pelo menos um filho de 12 anos ou menos. A maioria dos pais indicou que seus filhos usavam ferramentas online para educação em casa, incluindo aplicativos educacionais, mídia social e recursos eletrônicos fornecidos pela escola.

Cerca de 35% dos pais disseram que o comportamento de seus filhos mudou desde a pandemia, incluindo tristeza, depressão e solidão.

Devido ao fechamento de escolas e às ramificações das medidas de distanciamento social, não é surpreendente que os pais estivessem mais envolvidos nas atividades diárias das crianças, disseram os pesquisadores. Um em cada quatro pais relatou uma mudança de emprego relacionada à pandemia.

Essas mudanças afetaram o bem-estar mental dos pais. Dois em cada cinco adultos preencheram os critérios para depressão grave e ansiedade moderada, que foram negativamente associados à percepção de preparação para educar em casa, mostra o estudo.

Os pais também relataram altos níveis de interrupções na programação diária, bem como fatores estressantes como a falta de acesso à merenda escolar gratuita e/ou com preço reduzido.

“No geral, os resultados do estudo sugeriram que a saúde mental dos pais pode ser um fator importante ligado à educação em casa e ao bem-estar da criança durante a pandemia”, disse Shawna Lee, professora associada de Serviço Social da U-M. “A pesquisa sugere que, infelizmente, os altos níveis de estresse, a ansiedade e a depressão entre os pais permaneceram altos durante o verão e início do outono no país.

“Uma implicação é que o retorno à escola pode ser um desafio para muitas famílias. As escolas podem precisar considerar a prestação de serviços para resolver os problemas de saúde mental dos alunos e os efeitos colaterais do estresse e trauma, que são consequência do isolamento social e da incerteza econômica durante a pandemia.”

Dois resultados positivos foram que os pais se abraçaram e mostraram mais afeto aos filhos e comeram com eles.

Lee, o principal autor do estudo, observou que uma limitação do estudo é que ele não abrange as experiências de crianças marginalizadas, como crianças com deficiências físicas e de aprendizado, moradores de rua e comunidades de cor. A amostra era predominantemente branca (70%), pais de renda média.

Resumo: Atividades parentais e a transição para a educação domiciliar durante a pandemia COVID-19

Shawna Lee