Países com vacina obrigatória para tuberculose, como o Brasil, têm menos mortes por Covid-19

agosto 3, 2020
Contact: Fernanda Pires fpires@umich.edu
Ilustração de vacinação. Crédito da imagem: iStock

Ilustração vetorial com vacina BCG, seringa e pulmões.

Um relatório publicado recentemente por pesquisadores da Universidade de Michigan indicou que, se a vacinação contra a tuberculose não fosse obrigatória no Brasil, o número total de mortes relacionadas ao coronavírus seria ainda maior.

Até 15 de abril, o Brasil teria sofrido um número estimado de 24.399 mortes, o que seria 14 vezes maior do que o número real de 1.736 mortes relatadas até essa data. O estudo constata que países que exigem imunização contra tuberculose apresentam número menor de infecções e mortes por coronavírus.

Publicado na revista Science Advances, o relatório – intitulado “Vacinação obrigatória contra Bacillus Calmette-Guérin (BCG) prevê curvas achatadas para a disseminação do COVID-19” – é uma análise dos relatórios diários de casos do COVID-19 e mortes relacionadas em mais de 50 países.

Os pesquisadores dizem que os países que têm uma política atual que exige a vacinação contra BCG, uma vacina contra a tuberculose, têm um crescimento significativamente mais lento de casos e mortes, em comparação com todos os outros países.The charts show the growth rate of coronavirus cases and deaths in various countries based on whether Bacillus Calmette-Guérin (BCG) vaccination -- or a tuberculosis (TB) vaccination -- was mandated or not.

Os gráficos mostram a taxa de crescimento de casos e mortes de coronavírus em vários países, com base na obrigatoriedade ou não da vacinação com Bacillus Calmette-Guérin (BCG) - ou de tuberculose (TB).

Os gráficos mostram a taxa de crescimento de casos e mortes de coronavírus em vários países, com base na obrigatoriedade ou não da vacinação com Bacillus Calmette-Guérin (BCG) – ou de tuberculose (TB).

A BCG pode ser eficaz quando uma proporção substancial da população é resistente a um vírus. Ou seja, a propagação do vírus pode ser mais lenta apenas quando houver “imunidade de rebanho” que impede que o vírus se espalhe facilmente pela população, disse Martha Berg, principal autora do estudo e estudante de psicologia da Universidade de Michigan.

Berg e colegas analisaram relatórios diários de casos confirmados e mortes durante um período de 30 dias, modelando diferenças entre as curvas de crescimento em países que exigiram políticas do BCG pelo menos até muito recentemente (como Brasil, Irlanda, França e Índia) e países que não (como os EUA, Itália e Líbano).

Embora o novo relatório contribua para pesquisas envolvendo vacinas contra a tuberculose, também observou algumas limitações; por exemplo, alguns países podem ter dados de melhor qualidade em relação ao número de casos e mortes de coronavírus do que outros.

Além disso, como a BCG é administrado no início da vida, não está claro se a vacinação pode ser eficaz quando administrada a adultos nem por quanto tempo pode fornecer imunidade ao COVID-19.

“Também não se sabe se a BCG pode ter efeitos adversos quando administrado a pessoas já infectadas com COVID-19”, disse Berg. “Existe uma necessidade urgente de ensaios clínicos randomizados”.

 

Mais Informações: