Pequenas mudanças na dieta podem ajudar a viver de maneira mais saudável e sustentável

agosto 30, 2021
Contact: Fernanda Pires fpires@umich.edu

Several food featured in the study. Image credit: Austin Thomason, Michigan Photography

ANN ARBOR—Comer um cachorro-quente pode custar 36 minutos de vida saudável, enquanto a escolha por uma porção de nozes pode ajudá-lo a ganhar 26 minutos de vida extra saudável, de acordo com um estudo da Universidade de Michigan.

O estudo, publicado na revista Nature Food, avaliou mais de 5.800 alimentos, os classificando de acordo com a carga de doenças nutricionais para os humanos e seu impacto no meio ambiente. Ele descobriu que substituir 10% da ingestão calórica diária de carne bovina e carnes processadas por uma mistura de frutas, vegetais, nozes, vegetais e frutos do mar selecionados pode reduzir sua pegada de carbono na dieta em um terço e permitir que as pessoas ganhem 48 minutos de minutos saudáveis ​​por dia.

“Geralmente, as recomendações dietéticas carecem de uma direção específica e prática para motivar as pessoas a mudar seu comportamento e raramente fazem recomendações dietéticas e impactos ambientais,” disse Katerina Stylianou, que fez a pesquisa como doutoranda e pós-doutoranda no Departamento de Saúde Ambiental Ciências na Escola de Saúde Pública da UM. Atualmente, ela trabalha como Diretora de Estratégia de Dados e Informações de Saúde Pública no Departamento de Saúde, de Detroit.

Este trabalho é baseado em um novo índice nutricional baseado em epidemiologia, o Health Nutritional Index, que os pesquisadores desenvolveram em colaboração com o nutricionista Victor Fulgoni III, da Nutrition Impact LLC. HENI calcula a carga líquida benéfica ou prejudicial à saúde em minutos de vida saudável associada a uma porção de comida consumida.

Calculando o impacto na saúde humana

O índice é uma adaptação do Global Burden of Disease, no qual a mortalidade e morbidade da doença estão associadas a uma única escolha alimentar de um indivíduo. Para o HENI, os pesquisadores usaram 15 riscos dietéticos e cargas de doenças do GBD e os combinaram com os perfis nutricionais dos alimentos consumidos nos Estados Unidos, com base no banco de dados What We Eat in America, do National Health and Nutrition Examination Survey. Alimentos com pontuações positivas acrescentam minutos de vida saudáveis, enquanto alimentos com pontuações negativas estão associados a resultados de saúde que podem ser prejudiciais para a saúde humana.

Adicionando impacto ambiental à mistura

Para avaliar o impacto ambiental dos alimentos, os pesquisadores avaliam o IMPACT World+, um método para avaliar o impacto do ciclo de vida dos alimentos (produção, processamento, manufatura, preparação/cozimento, consumo, resíduos), e adicionaram avaliações aprimoradas para o uso da água e saúde humana danos causados ​​pela formação de partículas finas. Eles desenvolveram pontuações para 18 indicadores ambientais, levando em consideração receitas detalhadas de alimentos, bem como o desperdício de alimentos previsto.

Finalmente, os pesquisadores classificaram os alimentos em três zonas de cores: verde, amarelo e vermelho, com base em seus desempenhos nutricional e ambiental combinados, como um semáforo.

A zona verde representa alimentos que são recomendados na dieta e contêm itens que são nutricionalmente benéficos, com baixo impacto ambiental. Os alimentos nesta zona são predominantemente nozes, frutas, vegetais cultivados no campo, vegetais, grãos inteiros e alguns frutos do mar.

A zona vermelha inclui alimentos que têm impactos nutricionais ou ambientais consideráveis; ​​e devem ser reduzidos ou evitados na dieta alimentar. Os impactos nutricionais foram causados ​​principalmente por carnes processadas. Os impactos no clima e meio ambiente foram provocados por carnes bovina, suína, cordeiro e processadas.

Os pesquisadores reconhecem que a gama de todos os indicadores nutricionais varia substancialmente e também apontam que alimentos benéficos nem sempre geram os menores impactos ambientais e vice-versa.

“Estudos anteriores reduziram suas descobertas a uma discussão de alimentos de origem vegetal vs. animal,” disse Stylianou. “Apesar de descobrirmos que os alimentos vegetais geralmente apresentam um desempenho melhor, existem variações consideráveis ​​tanto nos alimentos vegetais quanto nos animais.”

Com base em suas descobertas, os pesquisadores sugerem:

  • Diminuir os alimentos com os impactos mais negativos na saúde e meio ambientais, incluindo carnes altamente processadas, bovinos, camarões, seguidos por carne de porco, cordeiro e vegetais cultivados em estufas.
  • Aumentar os alimentos mais benéficos do ponto de vista nutricional, incluindo frutas e vegetais cultivados no campo, vegetais, nozes e frutos do mar de baixo impacto ambiental.

“A urgência de mudanças na dieta para melhorar a saúde humana e o meio ambiente é clara,” disse Olivier Jolliet, professor da Escola de Saúde Pública da U-M e autor sênior do artigo. “Nossas descobertas demonstram que pequenas substituições direcionadas oferecem uma estratégia viável e poderosa para alcançar benefícios significativos para a saúde e o meio ambiente sem a necessidade de mudanças drásticas na dieta.”

Os pesquisadores também estão trabalhando com parceiros no Brasil, na Suíça e em Cingapura para desenvolver sistemas de avaliação semelhantes.

Estudo: “A priorização de alimentos saudáveis e sustentáveis para pequenas mudanças dietéticas direcionadas pode gerar ganhos substanciais para a saúde humana e o meio ambiente” (DOI: 10.1038 / s43016-021-00343-4)