Populações negras e hispânicas entre as mais atingidas pela COVID-19

julho 22, 2021
Contact: Fernanda Pires fpires@umich.edu

Nova visualização do vírus Covid-19Mortes por todas as causas combinadas aumentaram dramaticamente no início da pandemia da COVID-19 para certos grupos demográficos nos EUA—particularmente para negros e hispânicos, mesmo quando considerados fatores socioeconômicos, de acordo com uma nova pesquisa da Universidade de Michigan.

Na verdade, o estudo—que se concentrou em grupos de adultos com menos de 65 anos—descobriu que os residentes negros, mais ricos e não-hispânicos, tiveram um aumento maior na mortalidade do que os brancos mais pobres e não-hispânicos. Residentes hispânicos também tendem a ter maiores aumentos de mortalidade do que aqueles que não são hispânicos, embora as diferenças sejam menores.

De co-autoria da pesquisadora Sarah Miller, da Ross School of Business, o artigo foi publicado online pela revista Health Affairs. Miller observou que embora outros estudos tenham encontrado disparidades raciais e étnicas no impacto da própria COVID-19, o novo artigo é notável tanto pelo tamanho das lacunas encontradas nas causas das mortes, quanto por mostrar como essas lacunas transcendem outros efeitos.

“Pensamos que fatores sociais e econômicos, como renda e cobertura de seguro, seriam os efeitos mais dominantes que veríamos e que poderiam mediar os efeitos de raça e etnia,” disse Miller, professora assistente de economia empresarial e políticas públicas. “Mas o que realmente descobrimos foi que raça e etnia inundaram as diferenças de renda ou status de seguro. Pessoas brancas, sem seguro, tiveram aumentos de mortalidade muito menores do que pessoas negras seguradas.”

Embora a pesquisa não tenha estudado diretamente as razões por trás dessas lacunas, ela observa que trabalhos anteriores sugeriram fatores como “segregação racial, viver em bairros pobres, exposições ambientais, falta de acesso a cuidados de saúde de alta qualidade e exposição crônica à discriminação racial” como possíveis explicações.

Em outra descoberta importante, Miller e colegas descobriram um grande aumento na mortalidade entre residentes de instituições residenciais de saúde, embora tenham se concentrado em adultos com menos de 65 anos. O aumento foi mais de 100 vezes maior do que o aumento entre aqueles que não vivem em ambientes de grupo. Pessoas que viviam em instalações correcionais também experimentaram grandes aumentos na mortalidade—mais de cinco vezes o aumento para aqueles que não moravam em alojamentos em grupo.

No geral, as pessoas sem seguro saúde, com renda abaixo da linha da pobreza e aquelas em ocupações com opções limitadas de trabalho em casa também experimentaram aumentos significativos na mortalidade, descobriram os pesquisadores.

Tomados em conjunto, os resultados mostram que grupos em desvantagem econômica ou social experimentaram grandes aumentos de mortalidade durante os primeiros meses da pandemia. Eles argumentam que esse padrão demonstra a necessidade de direcionar os esforços de socorro da COVID-19 para essas populações com maior probabilidade de serem afetadas.Key findings from stimated Mortality Increases During The COVID-19 Pandemic By Socioeconomic Status, Race, And Ethnicity

“Para mim, esses resultados sugerem que medidas extras para atingir essas comunidades—para melhorar as taxas de vacinação ou fornecer mais apoio para ajudar a preencher a lacuna para um mundo pós-COVID—seriam apropriadas, uma vez que foram atingidas de forma especialmente dura,” disse Miller. “O nosso artigo não é o único a mostrar isso, mas esta pesquisa definitivamente mostra que ele atravessa os fatores socioeconômicos de uma forma que é muito surpreendente.”

Ao contrário de estudos anteriores, que tendiam a se basear em dados de amostras menores, o novo artigo analisa números nacionais do U.S. Census Bureau. Os dados fornecem uma visão mais detalhada e aprofundada de como diferentes fatores, como etnia, ocupação, situação de vida, renda e status de seguro podem interagir para afetar as taxas de mortalidade. Os pesquisadores estudaram pessoas de 18 a 65 anos, comparando os números da mortalidade do segundo trimestre de 2020—abril a junho, quando a primeira onda da pandemia estava em alta velocidade—com o segundo trimestre de 2019.

Os pesquisadores descobriram aumentos significativos na mortalidade entre todos os subgrupos que estudaram, mas os tamanhos do aumento variaram consideravelmente. Entre as descobertas:

  • Em todos os grupos socioeconômicos, os adultos negros, não hispânicos, com menos de 65 anos, experimentaram aumentos significativamente maiores na mortalidade do que os brancos ,não hispânicos, na mesma faixa etária. Por exemplo, os negros, não hispânicos. no grupo de renda mais alta, tiveram um aumento na mortalidade de 3,5 vezes maior do que o aumento na mortalidade experimentado pelos brancos, não hispânicos e mais pobres (46,5 mortes por 100.000 pessoas em comparação com 12,9).
  • Os residentes hispânicos tendem a ver aumentos de mortalidade significativamente maiores do que os residentes brancos não hispânicos. Isso também foi visto entre as pessoas com seguro, aquelas que não moravam em alojamentos de grupo, famílias de baixa renda, pessoas com opções de trabalho em casa e aquelas em setores essenciais.
  • Pessoas com menos de 65 anos, que vivem em casas de repouso ou outros alojamentos de grupos de saúde, experimentaram um aumento na mortalidade de 1.619 mortes por 100.000 residentes. Aqueles em instalações correcionais experimentaram um aumento de 83,3 mortes por 100.000. Isso se compara a um aumento de 16,1 mortes por 100.000 entre as pessoas que não vivem em quartos coletivos.
  • Os não segurados tiveram um aumento de 27,6 mortes por 100.000, em comparação com um aumento de 15,5 mortes entre os segurados.
  • Pessoas com renda familiar igual ou abaixo da linha da pobreza tiveram um aumento na mortalidade de 27,1 mortes por 100.000, em comparação com 13,3 entre aqueles com renda quatro vezes o nível de pobreza ou mais.
  • As taxas de mortalidade aumentaram 19,1 mortes por 100.000 entre as pessoas em ocupações sem opções de trabalho em casa, em comparação com 10,9 entre as que podem trabalhar em casa.

Miller disse que os novos resultados sublinham as questões sobre as iniquidades de saúde estabelecidas nos EUA há muito tempo.

“Mesmo antes da pandemia, as pessoas em famílias de baixa renda, por exemplo, tinham taxas de mortalidade realmente altas, e então a pandemia piorou isso,” disse ela. “Se tivéssemos disparidades menores para começar, se ou quando houvesse outra pandemia, poderíamos não ver diferenças tão marcantes em seu impacto. Por que os pobres se saem tão mal em termos de saúde nos Estados Unidos? Há algo que possa ser feito para melhorar isso?”

 

Mais Informações: