Por que os lares de idosos foram tão afetados pelo coronavírus?

maio 14, 2020
Contact: Fernanda Pires fpires@umich.edu
Woman and a wheelchair in an empty nursing home. Image credit: iStock

Person

ANN ARBOR—Moradores e trabalhadores de casas de repouso representam cerca de um terço das mortes de COVID-19 nos Estados Unidos, até agora, segundo relatos da mídia.

No estado de São Paulo, no Brasil, a pandemia do novo coronavírus já provocou mais de 20 mortes em asilos no interior do estado. Há casos confirmados nas últimas duas semanas em ao menos cinco cidades. Além dos idosos, 33 funcionários dos asilos já foram diagnosticados com a Covid-19.

Sheria Robinson-Lane, gerontologista e professora assistente da Escola de Enfermagem da Universidade de Michigan, é especialista em cuidados paliativos e de longo prazo e administração de enfermagem. Sua pesquisa se concentra no cuidado e apoio aos idosos com deficiências cognitivas e/ou funcionais, e nas maneiras como os idosos se adaptam às mudanças na saúde, particularmente como estratégias de enfrentamento adaptativas afetam os resultados da saúde.

Por que o risco é muito maior nas casas de repouso?

Alguns de nossos adultos mais vulneráveis ​​vivem em lares de idosos. Apenas para se qualificar para uma estada em um lar de idosos, seja para reabilitação a curto prazo ou para cuidados prolongados, você deve precisar de cuidados de enfermagem 24 horas. Esse cuidado geralmente é necessário como resultado de uma lesão significativa, como um quadril fraturado, uma lesão cerebral traumática ou relacionada ao agravamento da doença crônica.

Em geral, mais de 90% dos idosos têm pelo menos uma doença crônica. Mais de 70% tem pelo menos duas doenças crônicas. Nos lares de idosos, esse número começa a subir significativamente. Como resultado de doenças crônicas e/ou lesões, as pessoas em lares de idosos geralmente não têm o funcionamento ideal do sistema imunológico, por isso é muito mais fácil para elas ficarem doentes em geral.

Quando você acrescenta a isso viver e trabalhar de perto com outras pessoas, tanto as pessoas que moram lá como as pessoas que cuidam delas correm risco de doenças infecciosas. O gerenciamento da transmissão da infecção não é novidade nos lares de idosos, mas a natureza incrivelmente contagiosa do COVID-19 tornou isso muito difícil de conter nestes ambientes. Infelizmente, devido ao estado já enfraquecido de muitos dos moradores dessas instalações, adoecer é muitas vezes fatal.

Como faço para decidir se devo levar meu ente querido para morar comigo temporariamente?

A escolha de colocar um ente querido em um lar de idosos é uma decisão desafiadora com a qual as famílias lutam desde o início. A realidade é que a grande maioria das pessoas em casas de repouso tem necessidades de cuidados que não podem ser facilmente atendidas em um ambiente doméstico.

Para outros, é possível que eles possam fazer a transição para um ambiente doméstico com os serviços comunitários certos. Infelizmente, devido ao COVID-19, muitos programas comunitários estão lutando para atender às necessidades dos clientes atuais.

Portanto, o principal fator a se considerar ao pensar em trazer alguém para casa é: exatamente quais são as necessidades de cuidados do meu ente querido e temos o que precisamos para gerenciar efetivamente os cuidados em casa?

Outras pontos a considerar:

  • Qual é a mobilidade da pessoa? Eles podem entrar e sair de sua casa facilmente?
  • Se a demência é uma preocupação, como vamos mantê-los seguros em casa?
  • Que ajuda eles precisam, como ir ao banheiro, tomar banho e comer?
  • Eles exigem uma dieta especial?
  • Eles têm feridas ou machucados que precisam ser tratadas e quem pode ajudar a cuidar disso?
  • Eles exigem algum equipamento especial?
  • Eles precisam de visitas médicas regulares ou exames de sangue? Como vamos gerenciar isso?

E, provavelmente, a pergunta mais importante é: eles querem ir para casa com você?

Se já houve casos de COVID nas instalações onde um membro da família está e você se sente confortável com as necessidades de cuidados em casa, também é importante lembrar que eles já podem ter sido expostos ao vírus e, portanto, terá que que planejar uma quarentena em casa por 14 dias após a alta da instalação. Isso significa pensar em como mantê-los isolados dos outros membros da família durante esse período.

É mais seguro que meu ente querido esteja em minha casa do que em um lar de idosos?

A resposta aqui é depende. O local mais seguro para qualquer idoso é o local em que eles podem ter todas as suas necessidades de cuidados atendidas com eficiência e ter a menor quantidade de exposição ao COVID-19. A maioria das instalações deve ter planos para isolar socialmente pacientes positivos por COVID. Trazer para casa um ente querido pode ser o lugar mais seguro para eles, se não houver trabalhadores essenciais em casa, se forem tomadas as devidas precauções quando for sair de casa (usar máscara e lavar as mãos) e se você conhecer todas as necessidades de cuidados do seu familiar.

Quais políticas nos níveis estadual e federal poderiam diminuir o risco para os residentes em casas de repouso?

Atualmente, os lares de idosos são fortemente regulamentados nos níveis estadual e federal. Existem regras específicas sobre como as infecções são rastreadas nas instalações, postagens necessárias, expectativas em relação aos cuidados e, é claro, ao saneamento.

Acredito que o principal fator que diminuirá o risco para os residentes e funcionários das casas de repouso é expandir significativamente a disponibilidade de testes rápidos. Isso tornaria muito mais fácil adequar a quarentena nas instalações e consequentemente limitar a disseminação e gerenciar o pessoal.

O acesso adequado a equipamentos de segurança (EPI) também continua sendo uma preocupação para a equipe de atendimento direto, portanto deve haver uma maneira eficiente de a equipe poder relatar preocupações ao estado, anonimamente, para que não haja medo de retaliação.