Previsão de tempestades solares pode evitar desastre energético

setembro 29, 2016
Contact: umichnews@umich.edu

rendição do artista de clima espacial.ANN ARBOR – A partir da próxima semana, as previsões dos efeitos das tempestades solares irão ajudar, pela primeira vez, a proteger a rede de energia e os satélites de comunicações regionais, devido à uma nova ferramenta desenvolvida por pesquisadores da Universidade de Michigan e da Universidade Rice.

As tempestades solares são correntes de partículas carregadas e campos eletromagnéticos provenientes do sol que afetam o campo magnético do planeta. Alterações maiores podem enviar correntes prejudiciais para as linhas de energia, prejudicando as operações e colocando em riscos transformadores muito caros. Elas também podem danificar satélites.

Hoje, os cientistas sabem que, quando uma tempestade vem em nossa direção, é impossível prever qual região da Terra será a mais afetada. Assim, as empresas de serviços públicos e os operadores de satélites nem sempre podem limitar os danos aos seus sistemas cortando componentes-chave.

Essa realidade vai mudar em 1 de Outubro, quando o Centro de Previsão do Clima Espacial, da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA em inglês) começar a usar um novo modelo de prognóstico geoespacial que poderá fornecer dados de cada área de 350 milhas quadradas da Terra, e até 45 minutos antes de uma tempestade solar.

“Esta é a primeira vez que as concessionárias terão uma previsão regional dos efeitos do clima espacial com antecedência”, disse Dan Welling, cientista de pesquisa no Departamento do Clima e Ciência Espacial e Engenharia da U-M e um dos desenvolvedores do modelo. “Em comparação com a previsão do tempo, isso soa como um passo trivial, mas em termos de clima espacial, é um grande passo.”

Os seres humanos não experimentam uma tempestade solar catastrófica desde a instalação de redes elétricas e do lançamento de satélites. Em setembro 1859, uma poderosa tempestade geomagnética solar, conhecida como “Evento Carrington,” atingiu a Terra, causando uma ruptura significativa, mas naquela época haviam somente cabos telegráficos. Estes continuaram a receber mensagens mesmo depois de serem desconectados.

Se um evento semelhante ocorresse hoje “realmente seria muito pior do que um grande desastre provocado por um furacão”, disse Gabor Toth, professor de investigação no Departamento do Clima e Ciência Espacial e Engenharia da U-M e também um dos desenvolvedores do modelo.

Os cortes de energia poderiam durar meses ou mais, uma vez que seria necessário um longo tempo para substituir os transformadores elétricos danificados. Isso é muito tempo na atual sociedade que depende de eletricidade para itens essenciais como comida, calor, água e comunicação.

“O modelo de Geospace vai nos ajudar a fornecer informações mais eficientes à North American Electric Reliability Corporation (Corporação de Confiabilidade Elétrica da América do Norte), e através da empresa, para as operadoras de rede cujas decisões afetam mais de 334 milhões de pessoas nos EUA e no Canadá “, disse Howard Cantor, cientista-chefe do Centro de Previsão de Clima Espacial. “Nossas projeções serão utilizadas para fornecer, pela primeira vez, as informações regionais processáveis necessárias para reduzir o risco de clima espacial extremo.”

Os cientistas estimam que há uma chance de até 12% da Terra ser atingida por uma tempestade solar extrema na próxima década. Em 2012, o “Evento Carrington” cruzou a órbita da Terra a apenas uma semana de impacto. Desde então, passos importantes foram tomados. Em junho de 2014, a Comissão Federal Regulatória de Energia começou a exigir que as empresas de serviços públicos se preparassem para as tempestades solares. E em 2015, a Casa Branca divulgou um plano de ação sobre o clima espacial.

O clima espacial extremo pode ocorrer a qualquer momento, mas, historicamente, as tempestades mais fortes tendem a atingir durante a fase de declínio do ciclo de atividade de 22 anos do sol.

Links relacionados:
Lights Out: A tale of disaster and the science behind it
Michigan space weather model selected for national use