Residentes nascidos nos EUA têm cinco vezes mais chances de usar opióides sob prescrição médica do que novos imigrantes

outubro 25, 2019
Contact: Fernanda Pires fpires@umich.edu

Oxycodone opioid tablets with prescription bottles. Image credit: iStock

ANN ARBOR—Quanto mais tempo os imigrantes vivem nos Estados Unidos, maior a probabilidade de usarem opióides prescritos—um fato que contradiz as visões populares que ligam riqueza e saúde e sugere que a cultura americana é exclusivamente favorável à prescrição de opióides.

Um novo estudo da Universidade de Michigan e da Universidade de Dartmouth descobriu que, em uma análise ajustada, os imigrantes que moram nos EUA entre cinco e 15 anos tinham três vezes mais chances de usar opióides do que os novos imigrantes.

Os imigrantes que já estão nos EUA por mais de 15 anos são quatro vezes mais propensos a usar opióides do que os novos imigrantes, e os residentes nascidos nos EUA têm mais de cinco vezes a chance de usar opióides sob prescrição médica do que os novos imigrantes.

Matthew Davis, professor associado da Escola de Enfermagem e Medicina da U-M, e Brian Sites, anestesista do Centro Médico Dartmouth-Hitchcock, examinaram a influência da cultura americana no uso de opióides entre os 42 milhões de imigrantes adultos estimados. Quase 8% dos imigrantes usam opióides prescritos, em comparação com 16% dos adultos nascidos nos EUA.

“Nossos resultados indicam que a cultura americana tem uma influência poderosa na prescrição de opióides, como evidenciado pelo dramático efeito temporal associado a um aumento maciço no uso de opióides prescritos entre imigrantes nos Estados Unidos,” afirmou Davis.

Esse aumento ocorreu apesar do controle dos níveis de dor, acesso aos cuidados de saúde e renda.

O aumento do uso de opióides com maior duração nos EUA fornece evidências mais fortes de uma cultura americana única que promove o uso de opióides, disseram os pesquisadores. Embora o estudo não tenha identificado explicitamente a assimilação na cultura americana, Davis e Sites suspeitam que a adoção de atitudes e cultura americanas provavelmente influenciam a dinâmica entre profissionais de saúde e pacientes imigrantes.

As descobertas são um bom exemplo do paradoxo dos imigrantes, disse Davis. Esse paradoxo desafia suposições sobre pessoas de origens desfavorecidas—neste caso, o de que os novos imigrantes são frequentemente mais saudáveis que os não imigrantes, apesar de seus antecedentes mais pobres, o que contradiz as crenças populares sobre saúde e riqueza.

Potencialmente, os esforços políticos para diminuir a dependência de opióides se beneficiariam do reconhecimento de fatores culturais americanos únicos que influenciam o uso de opióides, disse Sites.
Os pesquisadores usaram dados da Pesquisa Nacional do Painel de Despesas Médicas.

“Associação entre o tempo de permanência nos EUA e o uso de opióides entre imigrantes de primeira geração: uma análise transversal”, aparece on-line em 25 de outubro no JAMA Network Open (doi: 10.1001 / jamanetworkopen.2019.13979).

Matthew Davis

Brian Sites