Charles Munger promete 110 milhões para residência para pós-graduandos da Universidade de Michigan e bolsas de estudo para criar a comunidade de estudiosos; maior doação na história da universidade

abril 18, 2013
Contact: umichnews@umich.edu

Charles MungerANN ARBOR — Um presente de 110 milhões de dólares em doações do investidor e filantropo Charles T. Munger apoiará a visão dele para uma nova residência de estado da arte da Universidade de Michigan, projetada para promover uma comunidade onde os estudantes de pós-graduação de várias disciplinas possam viver e trocar idéias.

A doação inclui 10 milhões de dólares em bolsas de estudo para ajudar a criar uma sociedade residencial que incentiva o conhecimento e a interação de vários campos de estudo. O Conselho de Regentes da U-M aprovou o projeto e seu respectivo programa de bolsa, em uma reunião hoje.

O presente é a maior doação única para a universidade em seus 196 anos de história. A residência será nomeada em honra à Munger, um ex-aluno da U-M e vice-presidente da Berkshire Hathaway Inc.

O edifício proposto vai abrigar mais de 600 habitantes em um complexo acadêmico residencial único de alta densidade.

“Esta é uma abordagem inovadora e popular para a educação da pós-graduação,” disse Mary Sue Coleman, presidente da U-M. “A maioria das universidades não tem uma abordagem comunitária da maneira que este projeto prevê, quando tenta fazer com que o estudo de pós-graduação seja menos isolado. Vemos isto como um conceito revolucionário e uma excelente oportunidade para que possamos nutrir a pós-graduação dentro do nosso ecossistema.”

“Charlie Munger está entusiasmado em melhorar a habitação para os estudantes da pós-graduação, onde os trabalhos não estarão restritos aos limites das disciplinas, e acredita que a auto-educação, no ambiente certo, é muito poderosa. Nós antecipamos que este novo edifício terá muitas opções para encontros de estudantes, espaços para se reunirem, espaços para projetos e para acomodações, que combinam o que há de melhor no espaço privado e no comum.”

A maioria dos apartamentos desta nova comunidade de estudiosos terá sete quartos/salas de estudo individuais, cada um com um banheiro privativo, uma ampla cozinha compartilhada, uma sala de jantar comum e mobiliada e áreas de estar com grandes janelas. Alguns apartamentos terão três ou seis quartos.

Em um esforço para incentivar discussões interessantes e outras interações dentro e fora das disciplinas, o oitavo andar inteiro terá muitos espaços confortáveis para reuniões, uma academia de ginástica com uma pista de corrida, um local que fornece provisões básicas de alta qualidade e preços baixos, um quarto comum para os participantes, e uma vista panorâmica do campus e do centro de Ann Arbor. Alguns dos apartamentos serão usados por professores visitantes.

Entre aqueles que estarão morando na nova residência, estará um grupo selecionado para receber as novas bolsas de estudo financiadas pela doação de Munger. Escolhidos entre as 19 escolas e faculdades da universidade, estes bolsistas desfrutarão de uma variedade de interações, muitas vezes sociáveis, promovendo abordagens e competências multidisciplinares.

O projeto que Munger ajudou a desenvolver surgiu da experiência dele com o financiamento de um grande complexo habitacional para estudantes de pós-graduação na Universidade de Stanford, onde sua falecida esposa Nancy estudou. Ele tem trabalhado com a U-M para adicionar características de Stanford, mais espaços comuns, cantinas aperfeiçoadas, amplas instalações de ginástica e coberturas com iluminação natural, para consumo de alimentos e café dentro de uma estrutura que servem tanto como uma sacada ou um solário, dependendo do tempo.

Munger diz que está “cooperando entusiasticamente com uma quantidade limitada da celebração de seu presente,” em parte por não ter obrigações e em parte porque ele gosta da atenção. “Mas particularmente, eu quero evitar qualquer percepção que eu reivindico mérito por um grande donativo. Afinal, esperei até meu 90º ano antes de fazer a doação, então adquiri parceiros e um prazer inimaginável trabalhando com a universidade, em uma força tarefa de um projeto muito interessante que provavelmente terá um bom resultado, enquanto eu divido bens que logo não precisarei.”

“Naturalmente, não é intuitivamente óbvio porque, sem um mesmo precedente, a Universidade de Michigan deverá criar uma residência para estudantes de pós-graduação na qual cada habitante tenha que dividir um apartamento com outros seis,” Munger disse. Essa idéia não começou nem com Munger, nem com a Universidade. Ele diz que a idéia passou a dominar o planejamento aos poucos, através da junção de seis fatores:

  • Eficiência geométrica desejada, permitindo que mais alunos interajam no local.
  • Códigos de construção quase universalmente alterados aplicáveis a prédios super seguros.
  • Sucesso de algo semelhante, apartamentos de 4 quartos para estudantes de pós-graduação na Universidade de Stanford.
  • Sucesso de longa data de grandes cozinhas comunitárias para estudantes de pós-graduação na Universidade de Estocolmo e, em muitos complexos habitacionais privados modernos.
  • O espaço extremo e a qualidade por ocupante se torna possível repartindo o espaço comum e o custo entre os sete ocupantes do apartamento.
  • O benefício óbvio obtido considerando que cada apartamento tem um um banheiro para os hóspedes, e que cada quarto tem isolamento acústico perfeito e banheiro privado.

O novo edifício, de aproximadamente 370.000 metros quadrados e oito andares, será localizado no Campus Central, no lado norte da Rua East Madison entre as Ruas South Division e Thompson. A previsão é inaugurar o edifício no outono de 2015. 100 milhões de dólares da doação vão ser investidos nas novas instalações, que custarão cerca de 185 milhões. O restante da verba será financiado pelas receitas de locação.

O edifício será construído com base no sistema de avaliação da certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), do Conselho de Construção Ecológica dos Estados Unidos (U.S. Green Building Council), padrão reconhecido para medir a sustentabilidade de edifícios. Além da certificação LEED Prata, o edifício irá exceder em mais de 30 por cento, os códigos de eficiência de energia padrão.

A U-M tem mais de 15.400 estudantes de pós-graduação e profissionais de 113 países, sendo que hoje, a maioria mora em alojamentos fora do campus. Esta ampliação de cerca de 600 leitos de propriedade da Universidade não deverá causar muita mudança no padrão de habitação existente há muito tempo.

Munger, que estudou matemática na U-M na década de 40, tem sido um grande benfeitor da Universidade. Ele também lecionou em várias escolas e faculdades no campus e foi consultor da Universidade em vários de seus investimentos.

Em 2011, ele contribuiu com 20 milhões para renovações no icônico complexo habitacional “Clube dos Advogados”, que foi nomeado em sua homenagem. Como este último presente, a intenção de Munger foi colaborar na criação de uma instalação que iria ajudar os alunos a serem bem sucedidos, neste caso dando aos estudantes as instalações que necessitam. Em 2007, ele doou 3 milhões para obras na iluminação da Escola de Direito da U-M e outras melhorias de infra-estrutura no Hutchins Hall e no Edifício de Pesquisa Legal William W. Cook.

Além de suas doações para a Universidade de Michigan e para Stanford, Munger deu milhões a várias escolas e organizações na área de Los Angeles, onde mora.

Natural de Omaha, Nebraska, Munger, se graduou em 1948 na Escola de Direito de Harvard e eventualmente fundou o escritório de advocacia em Los Angeles “Munger, Tolles & Olson.” Olson e muitos outros do escritório se graduaram na Escola de Direito de Michigan. Munger parou de trabalhar com o Direito na década de 60 para se concentrar na gestão de investimentos. Depois de comandar sua própria empresa de investimentos por muitos anos, tornou-se vice-presidente da Berkshire Hathaway, em 1978.