Clube Wolverine de Apoio a Desastres: estudantes da U-M auxiliam em operações de rescaldo

setembro 13, 2018
Contact: Fernanda Pires fpires@umich.edu
A equipe Wolverine, de socorro a desastres, trabalha em Porto Rico, durante a primavera de 2018. Crédito: Wolverine Disaster Relief

A equipe Wolverine, de socorro a desastres, trabalha em Porto Rico, durante a primavera de 2018. Crédito: Wolverine Disaster Relief

ANN ARBOR—Com a chegada e um possível desastre do furacão Florence à costa das Carolinas, um novo clube, batizado como Wolverine Disaster Relief, está se preparando para o caso de necessidade.

Fundado em 2017, o clube de estudantes fornece apoio material, financeiro e voluntário para aqueles que foram afetados por desastres naturais ou provocados pelo homem. Entre seus objetivos: avaliar necessidades urgentes e recrutar estudantes e ex-alunos para colaborar em projetos de reconstrução de longo prazo. Em seu primeiro ano, o clube enviou voluntários para Porto Rico e Texas para ajudar nos esforços de socorro ao furacão.

“Nosso objetivo é desenvolver novos líderes e fazer uma diferença positiva no mundo, e esta é uma maneira fundamental de atingir esse gol,” disse Tim Carter, co-presidente do WDR e estudante de MBA na Escola de Negócios Ross, da Universidade de Michigan. “Queremos ajudar os alunos a entender os desafios que as pessoas enfrentam e fornecer uma oportunidade para eles se envolverem, além de alavancar sua educação para que possam fazer a diferença lá fora.”

Estudante de MBA Tim Carter e o de graduação da Escola de Negócios Ross, Ka'Marr Coleman-Byrd, trabalham em Porto Rico. Crédito: Wolverine Disaster Relief

Estudante de MBA Tim Carter e o de graduação da Escola de Negócios Ross, Ka’Marr Coleman-Byrd, trabalham em Porto Rico. Crédito: Wolverine Disaster Relief

A ideia do clube Wolverine Disaster Relief surgiu de uma conversa entre Carter e seu colega de MBA Andrew Davis, que antes de Ross, serviu seis anos no exército dos EUA.

“Sabíamos que estaríamos presos na escola enquanto todo esse sofrimento continuava acontecendo e decidimos que algo precisava ser feito,” disse Carter. “Há tantos desastres por aí que você nunca ouve falar. Não havia necessidade de fazer uma pausa na escola. A gente só precisava encontrar uma maneira de fazer as duas coisas.”

Carter e Davis logo descobriram que não havia nenhum grupo com foco em ações de socorro em desastres em que os estudantes pudessem se envolver. Para eles, essa foi uma oportunidade de criar e implementar um projeto para se tornarem líderes em impacto social.

“Era hora de unir nossa expertise em negócios com engajamento público,” disse Carter.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, os desastres naturais matam cerca de 90.000 pessoas e afetam quase 160 milhões de pessoas em todo o mundo a cada ano. Desastres naturais, como terremotos, tsunamis, furacões, tornados, inundações e secas, têm um impacto imediato na vida humana e podem prejudicar a saúde, o bem-estar e a sobrevivência das pessoas afetadas.

Antes de vir para Michigan, Carter passou sete anos trabalhando em operações de socorro em desastres, como secas, fome, inundações, terremotos, furacões e guerra civil, e mais recentemente, trabalhou para uma organização humanitária internacional no sul do Sudão. Como resultado, ele decidiu voltar à estudar e aprender sobre a área de negócios visando aliviar a pobreza.

“O trabalho de socorro não é tão sustentável, por isso, se você puder alavancar soluções de negócios para combater a pobreza, pode ser muito mais eficaz a longo prazo,” disse ele.

O aluno de graduação Ka’Marr Coleman-Byrd viajou para Porto Rico com outros alunos da Ross School durante o intervalo de primavera de 2017. Eles trabalharam em diversas atividades para ajudar comunidades na cidade de Yabucoa, incluindo residências inundadas, trabalhos de demolição, remoção de detritos e até mesmo a renovação de um campo de beisebol para que as equipes locais de beisebol da juventude voltassem a jogar.

“Eu queria passar minhas férias de primavera fazendo algo que teria um impacto maior e ajudaria aqueles em situações difíceis,” disse Coleman-Byrd. “Esta experiência definitivamente valeu a pena e estou muito agradecido por ter tido a oportunidade de colaborar neste projeto.

“Todos os que ajudamos ficaram extremamente gratos pela nossa assistência. Apesar de estarem passando por momentos tão difíceis, eles nos ofereceram comida e água enquanto trabalhávamos. Essa experiência é inigualável e eu faria tudo de novo em um piscar de olhos.”

Carter disse que a equipe do Wolverine Disaster Relief está planejando outra viagem de prestação de serviço neste intervalo de outono.

“Vamos tentar o nosso melhor para ir para as Carolinas, dependendo da necessidade,” disse ele. “Estamos em contato com nossos parceiros para avaliar a viabilidade. No entanto, definitivamente faremos uma viagem no outono.”

Michigan Ross