Coronavírus tem causado conflito entre pais, filhos

abril 2, 2020
Contact: Fernanda Pires fpires@umich.edu

Image of small child holding a teddy bear.

ANN ARBOR—O estresse e a incerteza causados ​​pelo coronavírus afetam os pais—e consequentemente as crianças estão sentindo um impacto psicológico e físico, afirmam pesquisadores da Universidade de Michigan.

Um número maior de pais gritaram ou discutiram com seus filhos pelo menos uma vez nas últimas duas semanas, de acordo com um novo relatório da ONU. Além disso, durante o mesmo período, um em cada seis pais bateu ou deu umas palmadas no filho.

De acordo com Shawna Lee, principal autora do relatório, com as escolas e creches fechadas, nos Estados Unidos, as famílias estão enfrentando muitos desafios para cuidar dos filhos em tempo integral e ainda estão lidando com as incertezas econômicas, o que aumenta o nível de estresse.

“Para um grande número de pais, as preocupações financeiras, o isolamento social, a solidão e a tristeza estão atrapalhando a maneira com que criam seus filhos,” disse Lee, professora associada de Assistência Social da UM.

O relatório, com coautoria da aluna de doutorado Kaitlin Ward, examina como os pais responderam aos filhos durante a pandemia.

Os pesquisadores lançaram uma pesquisa on-line em 24 de março, cerca de uma semana após a Casa Branca administrou as diretrizes de distanciamento social para diminuir a propagação do vírus. A pesquisa incluiu 562 adultos, dos quais 288 (51%) são pais de pelo menos um filho de 12 anos ou menos.

Os entrevistados relataram sua saúde mental e bem-estar, situação parental e econômica durante a pandemia de coronavírus. Eles também responderam perguntas abertas sobre como o comportamento de seus filhos e a maneira de educá-los mudaram desde a crise global da saúde.

Enquanto a maioria dos pais disse que se sente mais próxima de seus filhos enquanto fica em casa, muitos também relataram altos níveis de castigo psicológico e físico das crianças. Especialistas e defensores das crianças temem que isso contribua para um aumento nas taxas de abuso infantil.

Entre os resultados:

  • Muitos pais estão preocupados com o fato de não poderem pagar as contas (50%) e o dinheiro acabar (55%).
  • A maioria dos pais (52%) disse que as preocupações financeiras e o isolamento social (50%) estão atrapalhando o relacionamento com os filhos.
  • Cerca de 1 em cada 6 pais disse que deu umas palmadas em seus filhos pelo menos uma vez nas últimas duas semanas. Onze por cento disseram ter feito isso algumas vezes ou mais.
  • As taxas de gritos e berros com crianças estão altas, com 4 em cada 10 pais dizendo que fizeram isso algumas vezes ou mais nas últimas duas semanas.
  • Quando perguntados se esses comportamentos aumentaram ou mudaram depois da pandemia, 19% disseram que estão gritando mais e 15% disseram que aumentaram o uso da disciplina desde o início da crise.

“Como esses dados foram coletados relativamente cedo no bloqueio da pandemia de coronavírus, podemos esperar que essas taxas aumentem com o tempo, à medida que as condições econômicas piorem e os níveis de estresse dos pais aumentem,” disse Lee, diretora do Laboratório Parenting in Context Research, da U-M.

No entanto, apesar da situação preocupante, a pesquisa também mostrou um lado positivo. Muitos pais, após a pandemia, se sentiram mais próximos dos filhos e 88% deles relataram que haviam vivenciado momentos amorosos nas últimas duas semanas com os pequenos.

Estudo (PDF): Stress and Parenting During the Coronavirus Pandemic

Shawna Lee

Kaitlin Ward

Parenting in Context Research Lab