Democracia oferece mais eletricidade aos cidadãos do mundo

outubro 26, 2015
Contact: umichnews@umich.edu

Luzes noturnas ao redor do mundo.Luzes noturnas ao redor do mundo.ANN ARBOR- No mundo em desenvolvimento, as pessoas que vivem em países democráticos são mais propensas a ter eletricidade do que aqueles que vivem em países autocráticos, de acordo com um novo estudo da Universidade de Michigan.

Em um projeto ambicioso, o professor Brian Min estudou o acesso à energia elétrica em 150 países, incluindo o Brasil. Nas Américas, Guatemala, Costa Rica, Panamá e Colômbia foram considerados países democráticos e Haiti, Bolívia e El Salvador, autocráticos.

Min, professor assistente de Ciência Política, disse que a competitividade nas eleições acaba ajudando a elevar o fornecimento de eletricidade para os cidadãos de um país, especialmente nas zonas rurais com altos índices de pobreza.

“Os países democráticos como Brasil, a Índia e a Turquia fornecem, em média, 10 por cento a mais de eletricidade a seus cidadãos do que os países cujos líderes não enfrentam a concorrência política”, disse Min. O assunto é discutido no seu novo livro, “O Poder e o Voto: Eleições e eletricidade no mundo em desenvolvimento”.

A diferença permanece mesmo após o controle de diferenças da riqueza, da população e dos fatores geográficos, acrescentou.

Como os dados sobre o acesso à energia elétrica não são confiáveis ​​em muitas partes do mundo, Min utilizou imagens de satélite captadas durante a noite para identificar os estabelecimentos que aparecem constantemente iluminados à noite durante todo o ano, um método conhecido como indicador confiável de acesso à eletricidade. Min analisou duas décadas de dados de satélite para estudar a forma como as eleições influenciam a distribuição de energia elétrica para os pobres.

Se a democracia gera uma melhor prestação de serviços públicos, o que explica o sucesso aparente de países autocráticos, como a China na expansão do acesso à energia elétrica? Segundo estimativas oficiais, quase todas as aldeias chinesas têm eletricidade. Enquanto isso, na Índia, maior democracia do mundo, mais de um terço das aldeias não têm eletricidade.

De acordo com Min, essas taxas oficiais dependem dos dados emitidos por parte do governo, e os países usam definições inconsistentes e estratégias de estimação inadequados para alcançar suas figuras. A metodologia baseada em satélites e luzes à noite conta uma história diferente, diz Min.

A proporção da população que vive em áreas iluminadas é muito semelhante na China e na Índia, em particular nas áreas mais pobres desses países, diz Min.

Min argumenta que os líderes democráticos dão prioridade à prestação de serviços públicos como eletricidade por várias razões. O fornecimento de eletricidade é uma maneira eficiente de ganhar apoio político, uma vez que afeta muitos eleitores e é valorizado pelas massas. Além disso, os esforços para expandir a rede elétrica oferecem muitas oportunidades para os políticos ganharem votos e influência, onde, quando e como os projetos são executados.

“O foco sobre a eletricidade é mais elevado durante períodos eleitorais quando a atenção dos eleitores é maior e onde a possibilidade política e capacidade de mudar são maiores”, disse ele.

Min disse que a relação entre o acesso à eletricidade e a política também tem implicações significativas para o debate sobre as alterações climáticas.

À medida que o mundo se tornou mais rico, ele disse, o consumo de energia tem acelerado. Desde 1990, o consumo de eletricidade do mundo dobrou, mas as receitas médias globais têm crescido apenas 50 por cento. Enquanto isso, a geração de energia provoca mais emissões de gases de efeito estufa que qualquer outra atividade humana.

“À medida que as economias crescem, aumenta a sede de energia”, disse Min.

Brian Min