Economistas da U-M: novos modelos veem recessão induzida por coronavírus

março 19, 2020
Contact: Fernanda Pires fpires@umich.edu

ANN ARBOR—Economistas da Universidade de Michigan esperam uma recessão nos EUA causada pelo coronavírus, embora a situação incerta e em rápida evolução dificulte conclusões definitivas.

Em uma atualização provisória para o Outlook Econômico dos EUA e Michigan para 2020-2022, divulgada nesta quinta-feira, os economistas dizem que o COVID-19 causou “perturbações econômicas substanciais” desde que a última perspectiva para as economias dos EUA e Michigan foi lançada em fevereiro. Esse relatório supunha “perturbações relativamente limitadas da economia real,” mas acrescentou que “os eventos velozes das últimas semanas invalidaram essa suposição.”

Os economistas, que fazem parte do time do Seminário de Pesquisa em Economia Quantitativa da U-M, desenvolveram dois cenários atualizados: um “cenário de mitigação eficaz” e um outro de “cenário de precipitação prolongada.”

“Agora esperamos que uma recessão oficial seja declarada nos dois cenários que consideramos,” escreveram os economistas.

“Se os eventos se desenrolarem em uma direção mais positiva do que a prevista atualmente e a economia conseguir evitar uma recessão, teremos o maior prazer em dizer que nos enganamos em nossa decisão de recessão.”

O Federal Reserve cancelou a publicação de seu resumo trimestral das previsões econômicas de março, citando o quadro econômico em evolução. Os economistas da U-M concordam que tais perspectivas estão longe de ser certas e reconhecem que suas perspectivas atualizadas “não aderem aos nossos padrões normais de integridade.”

Os economistas concluem que políticas de curto prazo economicamente perturbadoras—mas que contêm a pandemia—são “justificadas” a serviço da proteção da vida das pessoas. O time também diz que é fundamental que os governos federal e estaduais diminuam os danos econômicos da pandemia para os mais afetados por ela.