Lidando com o COVID-19: adultos recorrem ao álcool e à maconha

abril 30, 2020
Contact: Fernanda Pires fpires@umich.edu

ANN ARBOR—As ordens para ficar em casa durante a pandemia de coronavírus—reclusão que acaba de completar dois meses—levaram mais adultos a consumir álcool e drogas para lidar com o estresse.

Mais de um em cada quatro adultos (28%) disse que usou álcool ou drogas para se sentir melhor, de acordo com um novo estudo da Universidade de Michigan que rastreou comportamentos uma semana depois que a Organização Mundial da Saúde anunciou a pandemia, em meados de março.

Os adultos estão usando várias estratégias para lidar com problemas de saúde mental e física relacionados à incerteza com a pandemia. As preocupações incluem o cansaço ou pouca energia, dificuldade para dormir e relaxar e sentimentos de desespero e medo, disse Shawna Lee, principal autora do relatório e professora associada de assistência social do U-M. Ela colaborou com o relatório, em conjunto com a estudante de doutorado em Serviço Social Kaitlin Ward.

A amostra incluiu respostas de 562 adultos (pais e não pais)—muitos indicaram que a depressão e a ansiedade aumentaram durante esse período.

Entre as conclusões do relatório:

Quase todos os entrevistados estavam envolvidos no distanciamento social, mas poucos estavam em isolamento social. Quando perguntados sobre as preocupações associadas ao coronavírus, 47% indicaram que se preocupam com o fato de não poderem pagar as contas e 53% se preocupam com a falta de dinheiro.

Cerca de 22% disseram que estão usando mais álcool e 1 em cada 7 disseram que usaram mais maconha desde o início da pandemia.

Os sintomas de depressão foram altos: 2 em cada 3 relataram se sentir cansados ​​ou com pouca energia, problemas para dormir e sem esperança. Cerca de 32% dos entrevistados apresentaram sintomas que indicariam depressão maior.

Pelo menos 50% relataram sintomas de ansiedade quase todos os dias ou vários dias por semana desde a pandemia. Aproximadamente 32% dos entrevistados apresentaram sintomas que indicariam ansiedade leve, cerca de 19% para ansiedade moderada e 17% para ansiedade severa.

Logo após a pandemia, os sintomas de depressão e ansiedade foram muito maiores do que o esperado na população em geral. No entanto, os entrevistados também disseram que estavam usando mecanismos de enfrentamento, como aceitação (96% dos entrevistados), tomando medidas para melhorar a situação (89%) e trabalhando em atividades diferentes para parar de pensar na pandemia e se distrair (84%).

Entre aqueles em relacionamentos românticos, 22% relataram ter discordâncias com o parceiro relacionadas ao coronavírus, 19% relataram mais discordâncias do que o habitual e 15% relataram mais brigas verbais do que o habitual.

Embora cerca de 1 em cada 4 entrevistados tenha tido mais conflitos nas duas primeiras semanas após a pandemia, a maioria (71%) disse que se sentiu emocionalmente mais próxima do parceiro do que o normal.

À medida que as perturbações da vida diária pioram, os profissionais de saúde precisam estar preparados para um aumento nos problemas de saúde mental e uso de substâncias, disse Lee.

Estudo: Mental Health, Relationships, and Coping during the Coronavirus Pandemic

Shawna Lee
Kaitlin Ward
Parenting in Context Research Lab