Liderada pelo Brasil, América Latina é o novo epicentro do coronavírus

junho 3, 2020
Contact: Fernanda Pires fpires@umich.edu
People all wearing a mask, to protect themselves from COVID-19. Image credit: iStock

Apucarana / Paraná / Brazil – April 19, 2020 – Movement at the open market on Saturday morning in Apucarana. People all wearing a mask, to protect themselves from covid-19, coronavirus

Q&A

ANN ARBOR—A América Latina já ultrapassou a Europa e os Estados Unidos no número de novos casos COVID-19. O Brasil lidera com 555,383 casos confirmados e 31,199 mortes até 2 de junho, de acordo com o Ministério da Saúde.

Rafael Meza

Rafael Meza

Rafael Meza, professor associado de epidemiologia e saúde global da Escola de Saúde Pública da Universidade de Michigan, analisa a preocupante tendência.

A América Latina se tornou recentemente o novo epicentro para o coronavírus. Que desafios esses países enfrentam à medida que o vírus se espalha?

1) Carga considerável de doenças crônicas, que, como descobrimos, aumenta as chances de mortalidade por infecções por SARS-coV2. Alguns países têm um alto ônus de obesidade e diabetes, o que afetará seus resultados. Alguns países têm sistemas de saúde limitados, com poucos recursos para realizar testes ou fornecer tratamento para centenas ou milhares de casos simultaneamente. Realizar testes em massa em alguns países da América Latina simplesmente não será possível, o que afetará a vigilância e o controle.

2) Grandes disparidades socioeconômicas, o que torna difícil, senão impossível, manter políticas de distanciamento social por longos períodos de tempo.

3) Grandes segmentos da população que trabalha na economia informal, o que dificulta a implementação de estratégias nos locais de trabalho e nos empregadores.

É comum este vírus também aparecer no início da temporada de gripe em muitos países da América Latina. Como você acha que esse momento afetará o resultado?

A América do Sul está entrando no inverno, portanto isso provavelmente afetará a dinâmica da transmissão de ambas as doenças. A sobreposição com a temporada de gripe pode resultar em desafios contínuos para o sistema de saúde por um longo período de tempo. Aprender o que acontece no Hemisfério Sul durante o inverno, inclusive na América Latina, será útil para saber o que esperar aqui no outono e inverno.

A situação é diferente nos trópicos e na América Central, que não têm o padrão sazonal típico da gripe e estão entrando na estação das chuvas. Um desafio é que, à medida que a estação das chuvas chega, as doenças transmitidas por vetores, incluindo a dengue, tendem a aumentar.

A população da América Latina é, em média, muito mais jovem do que nos países desenvolvidos. Isso significa que eles não serão tão severamente afetados pelo COVID?

Essa é, ou talvez fosse, a expectativa. Infelizmente, vimos uma distribuição de mortes por COVID em uma idade mais jovem na América Latina (por exemplo, no México). Isso pode ser devido à maior carga de diabetes, obesidade e outras condições crônicas, que ocorrem em indivíduos mais jovens em relação a outros países. Levará um tempo para que possamos entender exatamente o impacto da idade na mortalidade por COVID nesses países, pois outros fatores como condições crônicas, desafios socioeconômicos e limitações dos sistemas de saúde contribuirão para os resultados nesses países.

Existem características que colocam Brasil, Peru e Chile em maior risco do que outros países?

O governo federal do Brasil pareceu ignorar o risco do COVID no início. Portanto, podemos estar vendo as consequências da inação inicial refletidas agora no número de casos. Nessa altura, como outros países e ambientes que sofreram grandes surtos, eles precisam desacelerar significativamente a transmissão, manter fortes medidas de distanciamento social e permitir que os casos graves passem pelo sistema de saúde.

Infelizmente, ainda há muita tensão e desacordo entre as autoridades locais e estaduais e o governo federal, com um empurrão do topo para aliviar as restrições atuais e reabrir a economia. Isso está acontecendo quando o Brasil ainda está vendo um aumento de casos e mortes, e que pode resultar em um surto ainda maior. Atualmente, o Brasil se tornou o número 2 no total de casos em todo o mundo e o número 5 em mortes, sem sinais de desaceleração.

O Peru e o Chile, por outro lado, têm sido muito proativos e implementaram estratégias de contenção desde o início. Portanto, o aumento no número de casos pode refletir apenas os desafios que todos os países enfrentam ao conter o COVID-19, bem como os desafios inerentes à América Latina, com grandes segmentos da população vivendo dia a dia e trabalhando em uma economia informal, e, portanto, incapaz de se dar ao luxo de interromper suas atividades econômicas nem trabalhar em empregos formais que possam implementar bloqueios mais facilmente.

Como você acha que o coronavírus vai exacerbar a desigualdade de renda ou a pobreza na região?

Semelhante aos EUA, se as intervenções de distanciamento social necessárias também resultarem em perda de empregos e dificuldades econômicas adicionais, isso poderia realmente exacerbar as desigualdades na região. Um desafio é que as pressões econômicas podem resultar em níveis mais baixos de conformidade com as regras de distanciamento social em alguns países, aumentando o risco de surtos grandes e sustentados, o que, por sua vez, colocará um estresse adicional no sistema de saúde e na economia.

Existem soluções exclusivas que precisam ser implementadas para desacelerar a disseminação do COVID-19 na América Latina?

A resposta precisa ser adequada para cada configuração. Dados recursos limitados para testes em massa, diferentes estratégias precisarão ser implementadas para controlar e monitorar a situação. O distanciamento social é crítico nesses países, mas feito de uma maneira que não pare completamente a economia. A preparação é essencial nesses países que não têm o luxo de aumentar rapidamente sua capacidade de atendimento à saúde para responder ao aumento da demanda.

A maioria das populações com doenças crônicas ou preexistentes estão cientes das suas condições ou não? Isso poderia representar uma ameaça para o número de pessoas que contraem o COVID-19?

Este é certamente um desafio. As taxas de diabetes não diagnosticada, por exemplo, são mais altas do que nos EUA ou na Europa. As condições respiratórias, como doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) e doenças cardiovasculares também tendem a não ser detectadas nos estágios iniciais. Portanto, existe um problema em que nem todos os que estão mais em risco sabem que esse é o caso.