Triagem para câncer de pulmão com base em riscos pode salvar vidas

outubro 2, 2019
Contact: Fernanda Pires fpires@umich.edu

X-ray of lungs. Image credit: Pixabay user, oracast

ANN ARBOR—Alterar a maneira como os indivíduos são selecionados para o rastreamento de câncer de pulmão, considerando sua chance de contrair ou morrer vítima da doença, a partir de modelos de previsão de risco, pode impedir 14% dos óbitos por câncer de pulmão por ano.

O Grupo de Trabalho Pulmonar da Rede de Modelagem de Intervenção e Vigilância do Câncer (CISNET), que inclui pesquisadores da Escola de Saúde Pública da Universidade de Michigan, diz que isso significa que quase 2.000 mortes podem ser evitadas anualmente nos Estados Unidos, fatorando mais informações dentre os muitos modelos de previsão de risco desenvolvidos nos últimos anos, que consideram o perfil de fatores de risco de uma pessoa.

“É importante que as recomendações sobre o rastreamento do câncer de pulmão não levem apenas em consideração o risco de desenvolver câncer de pulmão, mas também a saúde geral e a expectativa de vida do indivíduo”, disse Kevin ten Haaf, do Centro Médico da Universidade de Roterdã, na Holanda. “Isso ajudará a identificar para quem a triagem é mais benéfica e reduzirá os possíveis danos à triagem.”

A atual triagem do câncer de pulmão é baseada na idade (55 a 80 anos), em quanto os indivíduos fumam (medidos em maços-ano) e por quanto tempo deixaram de fumar. A equipe analisou vários modelos de previsão de risco que consideram comportamento, estilo de vida e histórico familiar para estimar a probabilidade de contrair ou morrer de câncer de pulmão.

Embora considerar um cálculo de risco mais preciso tenha resultado em vidas salvas, o aumento na expectativa de vida foi mais modestas. Os pesquisadores dizem que isso tem a ver com o fato de o risco de câncer aumentar com a idade; portanto, indivíduos com alto risco tendem a ser mais velhos quando a expectativa de vida é menor. As recomendações atuais baseadas nos anos de maço e no tempo desde que você deixou de fumar favorecem a triagem entre indivíduos mais jovens.

“Os resultados deste estudo são de grande importância para a implementação do rastreamento do câncer de pulmão em todo o mundo,” disse Rafael Meza, presidente associado de epidemiologia da Escola de Saúde Pública da U-M e coordenador do grupo CISNET. “Estratégias de triagem baseadas em risco têm o potencial de salvar mais vidas.

“No entanto, ao mudar a triagem para idades mais avançadas, se resulta em um número menor de anos de vida salvas por câncer de pulmão. Isso é importante para os países considerarem, bem como os desafios da implementação do cálculo de risco em contextos clínicos, ao decidir qual estratégia funciona melhor para eles.”

Além disso, indivíduos mais velhos com maior risco de câncer de pulmão têm também uma maior probabilidade de estar sujeitos a possíveis danos à triagem, como o sobrediagnóstico, disse Meza.

A CISNET publicou suas descobertas esta semana no Journal of National Cancer Institute.

Rafael Meza
Kevin ten Haaf
CISNET